segunda-feira, 20 de novembro de 2017

Wonderful World







a vidA...



"Tinha a impressão de que os anos iam enrijando certas regiões do meu carácter. Era uma espécie de dureza interior progressiva, contra a qual todos os guilhos da ambiguidade, do convencionalismo, dos interesses e da convivência se quebravam. Esse monolitismo tornava cada dia mais difícil um dia-a-dia em que os passos bem sucedidos pressupunham maleabilidade, brandura, adaptação. Mas, embora visse claramente as vantagens de ser doutra maneira, sabia que estava condenado a pagar à vida o duro tributo da sinceridade. Nascera inteiriço, continuaria inteiriço, fossem quais fossem as consequências."
(Miguel Torga, A Criação do Mundo, Vol I)

quarta-feira, 15 de novembro de 2017

Lagoa,,,



    




Lagoa,,, em Castelo Branco










A Lagoa artificial é o meu local de eleição quando procuro sair da rotina diária para passear o meu cão, o Apolo.



       


 
                 

Fazemo-lo sobretudo nos sábados ou nos domingos pela manhã ou à tardinha quando poucas pessoas por ali andam.
Aí, ele adora sentir-se mais solto, mais livre e solta latidos de alegria quando nos estamos a aproximar... 



É um local aprazível pela calma que a água nos transmite, pelos sons límpidos da natureza... nas épocas quentes o coaxar das rãs em sintonia parecendo uma sinfonia, a fala dos pássaros,,,
os patos a grasnar em qualquer dia... e é vê-los nos seus voos rasantes... ou em fila desenhando  riscos nas águas com o seu passar...

Tudo perfeito na natureza mas o Homem tudo transforma, para o bem ou para o mal...

As "Gaivotas", as embarcações de lazer, andam à deriva, suportando as intempéries do tempo... junto aos juncos, por aqui e por ali...
algumas tentando "proteger-se" por baixo do pontão...
Já em setembro era esta a imagem,,,e continua assim, agora, em finais de novembro...


Basta esta imagem para escurecer o nosso passeio... A indignação instala-se e a pergunta não me larga, " Será que não há ninguém que cuide e vistorie este espaço?", "Será que, no outono e no inverno, estes equipamentos  não deveriam estar num local seco e abrigado para estarem funcionais na primavera e no verão?"

Fico ainda mais surpreendida por esta situação não ser denunciada e solucionada uma vez que ali estão sediadas  associações que diáriamente frequentam este espaço e movem bastantes utilizadores...

"Será que este investimento não deveria ser cuidado e protegido para ser rentável e duradouro?"

Ficam estas perguntas para os responsáveis locais,,, aqueles que elegemos para cuidarem da cidade, do concelho... Para tal se candidataram, para tal foram eleitos,,, para tal depositámos neles a esperança no seu juramento na tomada de posse...

Ficam as interrogações mas sinto que as pessoas andam distraídas...
e as pobres Gaivotas lá continuarão ao sabor do vento e a pesarem no meu coração... e na minha (des)esperança...

Lá diz a frase tão conhecida, fruto do senso comum...

"Não lhes custa ganhar o dinheiro" 

... pelo menos, e não existindo outra solução, deveriam estar atracadas AQUI... no ancoradouro...


domingo, 12 de novembro de 2017

Dói,,,

 
Dói, profundamente, ouvir estas notícias (polícias serem agredidos e os atacantes ficarem a aguardar julgamento em liberdade), visualizar as imagens... Dói tão profundamente que o choro, o lamento e as lágrimas não se contêm... 
As palavras ficam para os faladores, para aqueles em que a palavra se solta tão fácilmente perantes notícias tão perturbadoras que nos assaltam todos os dias... Talvez por não terem familiares nestas profissões de risco... Talvez por não terem filhas... Talvez por não terem irmãs... noutras notícias que nos magoam, que nos fazem sofrer,,, 
Também a fome no Iémen... 
Também o clima a deteriorar-se...
Também haver pessoas neste país que não compram a medicação por não terem meios económicos para tal... enquanto outros, muito mais abonados, passam a VIDA em greves,,, em manifestações...
O sentir na pele o seu sofrimento como se fosse MEU!!!
Para mim, fica a reflexão no silêncio... Nunca a leviandade pela palavra, porque a palavra é o que nos define...







Todos os dias há agentes da PSP agredidos. Já há 380 casos este ano


Número foi recolhido pela associação sindical da PSP. Vídeo mostra homem a agredir agente em Lisboa. Está em liberdade apesar de já ter antecedentes por agressões a polícias

"Infelizmente é mais vulgar do que aquilo que parece. Isto acontece todos os dias em vários pontos do país, com agentes da PSP a serem agredidos e cada vez com mais violência e com consequências físicas mais graves." O comentário é de Paulo Rodrigues, presidente da ASPP/PSP, a maior associação sindical da PSP que fez um levantamento das agressões ocorridas e este ano já contabiliza, até outubro, 380 em todo o país. O dirigente falou ao DN em reação à agressão a um agente em Lisboa, filmada em video e divulgada nas redes sociais. Os tribunais devem ser mais duros e aplicar penas efetivas de prisão, reclama.

Em 2016, houve 491 agressões a agentes da PSP e este ano os números, não oficiais e que correspondem a dados recolhidos pelos delegados da ASPP/PSP, mantêm a tendência. Já são 380 as agressões, só na PSP. "Damos conta que a violência contra polícias tem aumentado, com agentes a serem vítimas de agressões cada vez mais perigosas. O que se vê no vídeo não é tão raro como se pensa", aponta Paulo Rodrigues.

A situação que foi revelada pelo vídeo ocorreu a 1 de outubro, quando uma patrulha de dois elementos acorreu a um caso de um indivíduo que estaria a provocar distúrbios junto ao Miradouro de Santa Catarina, em Lisboa, de acordo com informações do Comando Metropolitano de Lisboa da PSP. O homem, de 44 anos, de Chelas, reagiu mal e agrediu o agente do sexo masculino de forma violenta. Acabou por ser depois detido. O caso baixou a inquérito e a defesa do arguido, que está em liberdade, terá contestado que foi alvo de uma agressão pelo agente.

https://www.dn.pt/sociedade/interior/todos-os-dias-ha-agentes-da-psp-agredidos-ja-ha-380-casos-este-ano-8909422.html

Um vídeo que circula nas redes sociais mostra uma agressão a um agente da PSP da esquadra do Bairro Alto, em Lisboa. O agressor de 44 anos está já referenciado por outras agressões a agentes da autoridade. O episódio de violência teve lugar no dia 1 de outubro, no jardim do alto de Santa Catarina, conhecido como "Adamastor". E foi confirmado oficialmente pela PSP.
Entretanto, o Ministério da Administração Interna vem condenar "veementemente todos os episódios de violência sobre as forças de segurança".
Segundo o Expresso apurou junto de vários responsáveis policiais, o suspeito foi detido pelos dois agentes da PSP que tinham sido chamados ao local, depois de uma queixa de que o suspeito estaria a incomodar os transeuntes.
Depois de ouvido por um juiz de instrução, o homem terá sido libertado com a medida de coação mais ligeira: Termo de Identidade e Residência. E o caso baixou a inquérito.
O agente agredido foi hospitalizado com escoriações nos braços e na mão direita e a orelha rasgada. Encontra-se ainda de baixa médica, embora não tenha ferimentos graves.
Quanto ao suspeito, tem quase vinte processos por agressão, cinco deles contra agentes da autoridade.
Para Peixoto Rodrigues, presidente do Sindicato Unificado da Polícia, este vídeo vem demonstrar "a fragilidade" com que os agentes da PSP hoje trabalham, garantindo que não se trata de um caso isolado. "Todos os dias são agredidos elementos policiais", acusa.
Esta sexta-feira, o ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, anunciou que vai iniciar reuniões com as associações sindicais, que serão marcadas na próxima semana.

Três polícias e um civil foram agredidos por um grupo de pessoas nas festas do Catujal, em Loures, esta segunda-feira de madrugada. Para já, as razões da agressão são desconhecidas. As vítimas tiveram de ser transportadas para o hospital e um dos polícias continua internado.
Em comunicado, o Comando Metropolitano de Lisboa da PSP informa que as agressões ocorreram cerca das 00:30. Logo a seguir, a Polícia de Segurança Pública montou uma operação para encontrar e deter os suspeitos das agressões.
Ainda de acordo com a PSP, até agora, foram detidos dois dos agressores. Sendo que sobre um deles pendia um mandado de detenção para interrogatório judicial.  
Na operação foi possível apreender uma caçadeira de canos serrados e mais de 60 cartuchos ao mesmo suspeito.
 U

Todos os dias são agredidos três polícias em Portugal




segunda-feira, 6 de novembro de 2017

Hurt




"I wear the black for the poor and the beaten down, / Livin' in the hopeless, hungry side of town, / I wear it for the prisoner who has long paid for his crime, / But is there because he's a victim of the times" ("Eu me visto de preto pelos pobres e oprimidos/ Que vivem no lado faminto e sem esperanças da cidade / Eu me visto assim pelo prisioneiro que há muito pagou por seu crime / Mas está ali pois é uma vítima dos tempos").

domingo, 5 de novembro de 2017

In o Cardo e a Rosa


A si

Inflexível serás. Darás sem pedir nada.
Não cederás à morte. Põe-te acima da inveja.
Deleita-te contigo, e não penses que seja 
Um mal se aqui e agora sorte te for negada.

O que te aflige e encanta a ti foi destinado.
Aceita esse teu fado. Não há que arrepender.
Antes que alguém to mande, faz o que há a fazer.
Aquilo que tu esperas não te há-de ser negado.

Lamentos e louvores? Para quê? Sorte e azares
Cada um é que os faz. Olha as coisas da vida:
Tudo isso está em ti, deixa essa vã corrida.

Retoma a consciência antes de avançares.
Quem é senhor de si e cultiva a medida,
Nada há no vasto mundo sobre que não decida.

PAUL FLEMING (1609-1640)

domingo, 29 de outubro de 2017

Borda D`Água...




Nesta nova fase em que me decidi a deitar mãos à obra e fazer o que antes não tinha coragem para iniciar com receio de não conseguir ou ser um autêntico desastre nestas coisas da jardinagem e hortas e cuidar das árvores (tudo em numero reduzido), dou por mim a cada dia a interrogar familiares e pessoas conhecidas sobre quando é a melhor altura para podar, para semear, para plantar isto e aquilo...
Há dias perguntei a uma das minhas irmãs quando se podiam podar as videiras e ela respondeu "vai à net que está lá toda a informação que precisas sobre todas as tuas dúvidas". Fiquei logo contrariada porque me aborreço imenso neste estar em frente a um monitor... Prefiro perguntar e falar... mas pronto!!! Lá introduzi a frase "Quando se podam as videiras" no nosso conhecido google e saltitei de site em site, onde tudo estava bem explicadinho (até com esquemas e imagens elucidativas e vídeos) mas, ou eu não me conhecesse, a cada um que abria mais aborrecida ia ficando (até já bocejava) até que encontrei esta resposta simples:
 

Poda-me em Janeiro
Ata-me em Fevereiro
Cava-me em Março
Em Abril deixa-me dormir
Em Maio dá-me um arrendasso
E depois verás o que eu faço.

Verás como sei pagar
com juros de cento inteiro
o trabalho de podar
que tiveste em Janeiro.

Verás como o teu cavar
de Março, tão dedicado
vai dar ao mundo a provar
um néctar mais apurado

E num pingar de magia
dou-te pinga que inebria
espírito em gotas mil
para que bebas dia a dia
numa malga de alegria
o meu soninho de Abril

E quando chegar o Maio
do arrendasso do escol
que vai ficar no final
é dançar o verde-gaio
e beber o bom tintol
que se faz em Portugal.

Retirado do famoso Borda-d’água


Eheheheheh... Esta sim é uma resposta à minha medida.... Grande Borda D`ÀgUA!!!
Muito obrigada!!!